News

Pacientes com câncer recém diagnosticado têm maior risco de hepatites

133806057_science-photo-library_cancer-cells_trans_nvbqzqnjv4bq2aizoq_balt4dx785ymttwn2o9ig5nfkbpetueqfmmk

   Segundo estudo norte americano publicado esse mês na Revista JAMA Oncology, pacientes com câncer (independente do tipo) recém diagnosticado tem alto risco de ter hepatites B e C, o que sugere que essas doenças devem ser investigadas em todo paciente oncológico.

   Dos 3.051 pacientes que tiveram o diagnóstico de câncer, 2,4% apresentavam hepatite C, 0,6% hepatite B crônica e ainda 1,1% tinham infecção pelo HIV. Como o tratamento do câncer pode levar a ativação e complicação relacionada às hepatites, os autores recomendam que as sorologias sejam realizadas em todos os pacientes.

   Além disso, e talvez mais importante, observou-se que 6,5% dos pacientes tinham cicatriz sorológica para hepatite B. Chamamos de cicatriz sorológica quando a pessoa adquire a infecção pelo vírus B e o sistema imunológico reage, resolvendo a hepatite em cerca de 90% das pessoas, que ficam com os anticorpos circulando no sangue geralmente por toda a vida, podendo ser detectados em exames (daí chamarmos de “cicatriz”).

hbv-life-cycle-and-main-classes-of-antivirals-in-development

“Ciclo de vida” do vírus da hepatite B. No interior dos hepatócitos, o DNA do vírus forma uma estrutura circular chamada cccDNA que pode permanecer inativa por toda a vida, até que a imunidade do hospedeiro esteja prejudicada para então se desfazer e voltar a se multiplicar. Existem várias propostas de tratamento para eliminar esse problema, mas por enquanto o que temos de concreto é diagnosticar e tratar com antiviral quem sorologia positiva terá a imunidade severamente prejudicada.

   A infecção, no entanto, geralmente não desaparece. Como o vírus da hepatite B é do tipo DNA, ele entra nas células do fígado e se “esconde” deixando seu código genético. Enquanto a imunidade está bem, esses vírus não conseguem se multiplicar e desenvolver doença, pois se aparecerem os anticorpos eliminam a célula onde eles estavam. Mesmo assim, existe o vírus e é por isso que quem já teve hepatite B não pode doar sangue ou órgãos.

   Se essa pessoa tem diagnóstico de algum câncer e precisa fazer quimioterapia, o tratamento pode prejudicar o sistema imunológico e os anticorpos não estarão lá para controlar o vírus, podendo levar a um quadro de hepatite aguda, que pode ser grave, ou a hepatite crônica que pode lesar gradualmente o fígado até chegar a cirrose. Por esse motivo, quem tem hepatite B, ou mesmo a cicatriz sorológica, precisa tomar medicamentos contra o vírus. O mesmo para quem tem AIDS, doenças que afetam o sistema imunológico ou precisa tomar imunossupressores por outras doenças.

   Mesmo que esses números não pareçam tão altos, as complicações adversas de não se diagnosticar a hepatite são importantes o suficiente para justificar a sua investigação em todos os pacientes com câncer.

Categorias:News

Marcado como:, , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s